Insights do livro: Criatividade, Liberando sua Força Interior

Criatividade liberando sua força interior

Olá! Tudo bem? Como anda o seu treinamento criativo?

Nesse post apresento insights sobre o livro Criatividade liberando sua força interior do Osho. Para quem não conhece o autor, Osho foi um mestre espiritual indiano cheio de controvérsias e seguidores.

Lembrem que para a criatividade florescer é necessário liberdade de pensamento, ter a mente aberta, curiosa, e evitar qualquer pré-julgamento, algo bem difícil pois somos bem treinados na arte de julgar.

Os insights estão levemente organizados em categorias.

Sobre a Criatividade

Mente Criativa

  • A criatividade é a maior forma de rebeldia da existência. Se deseja criar você tem que se livrar de todos os condicionamentos; do contrário, sua criatividade não passará de mera imitação, será apenas uma simples cópia de algo.
  • Na ação, há criatividade, toda espécie de criatividade – música, poesia, pintura, escultura, arquitetura, ciência, tecnologia.
  • Criatividade é pulsar em absoluta harmonia com o Todo.
  • Criatividade requer atividade. Qualquer coisa pode ser criativa; é você que confere essa qualidade à atividade.
  • Criatividade significa amar tudo o que você faz – rejubilar-se com isso.
  • Toda a estrutura da nossa vida é tal que somos ensinados que, a menos que haja reconhecimento, não somos ninguém, somos inúteis. O trabalho não importante, mas o reconhecimento é – isso é uma inversão de valores.
  • Todo o valor intrínseco da criatividade foi aniquilado e o de milhões de pessoas foi destruído – pois não se pode dar Prêmios Nobel a milhões de pessoas. Mas cria-se o desejo de reconhecimento em todos, de modo que ninguém possa trabalhar em paz, em silêncio, tendo prazer naquilo que faz.

 

Criatividade e Espiritualidade

  • A criatividade é um estado de consciência e de ser muito paradoxal. É ação por meio de inação, é o que Lao-tsé chama de wei-wu-wei. É o ato de permitir que algo ocorra por seu intermédio. Não é o ato de fazer, mas o de permitir. É o ato de tornar-se uma passagem para que o todo flua através de você.
  • Apenas lhe abra um pequeno caminho, uma pequena passagem, para que Ele venha através de você. Isso é criatividade – permitir que Deus se manisfeste é criatividade. A criatividade é um estado religioso.
  • Deus só pode alcança-lo quando você é receptivo, um elemento receptivo. Quando você se torna yin, o principio feminino, a porta se abre. E você Aguarda.
  • Criatividade é ser possuído por Deus.
  • A pessoa criativa é aquela que traz algo do desconhecido para o mundo que se conhece; que traz algo de Deus para o mundo. A criatividade emana do criador, e não de você. Você se apaga a criatividade reluz – é quando o Criador toma posse de você.

 

A pessoa criativa

  • A pessoa que pretende ser criativa não pode seguir o mesmo caminho dos outros. Ela tem que descobrir o seu próprio caminho, tem que pesquisar nas selvas da vida.
  • A criatividade é a essência da liberdade individual.
  • A pessoa criativa é aquela que tem introspecção, que consegue ver coisas que nenhuma outra viu antes, que ouve coisas que ninguém ouviu antes – nela, sim, há criatividade.
  • A criatividade é subproduto do ato de sonhar.
  • Todos os grandes valores da vida – amor, silêncio, felicidade, alegria, piedade – o tornam consciente de uma imensa unicidade. Não há ninguém igual a você; todos nós somos diferentes expressões da mesma realidade, cânticos diversos do mesmo cantor.
  • Se você quer ser criativo, o que você deveria fazer? Desfazer tudo o que a sociedade fez de você. Desfazer tudo o que seus pais e professores fizeram de você. Desfaça o que o policial, o que o político, o que o padre fizeram de você – e você voltará a ser criativo, você voltará a sentir aquela emoção que sentiu quando tudo começou. Ela ainda aguarda aí dentro, recalcada. Mas ela pode liberar-se do que a reprime.
  • Tente fazer algo com perfeição, e ele continuará imperfeito. Faça-o naturalmente, e ele será sempre perfeito. A natureza é perfeita; o esforço é imperfeito. Portanto, quando você está tentando fazer algo muito esforçadamente, você o está destruindo.
  • Quando o pintor pinta com abandono tal, que chega a ausentar-se de sua obra, chega a viver um drama de consciência, pois sabe que ele não a fez… Ele sabe que alguma força desconhecida a criou por meio dele, ele sabe que foi possuído. Essa tem sido a experiência através das eras de todos os artistas realmente grandiosos: a sensação de ser possuído. Quanto maior o artista, mais clara se torna essa sensação.
  • Nenhuma história pode ser bela se ela estiver completamente acabada. Ela estará morta. A experiência é como uma porta sempre aberta – isso significa que ela está sempre inacabada. A crença é sempre completa e acabada. A mente é o conjunto de todas as suas crenças. Abertura significa ausência da mente; abertura significa pôr a mente de lado e mostrar-se disposto a ver sempre a vida de uma nova maneira, nunca com os mesmos olhos.

 

Relaxamento

  • Muitas pessoas gostam de relaxar, mas não conseguem. O relaxamento é como um florescimento; você não pode força-lo.
  • Relaxamento é ausência, ausência de atividade. É um estado no qual a sua energia não flui em nenhum sentido – nem opara o futuro, nem para o passado, ela simplesmente permanece aí com você.
  • Relaxamento não é postura; relaxamento é a transformação total de sua energia.
  • A criatividade significa simplesmente que você está em estado de relaxamento total.
  • As pessoas receptivas, sensíveis, são pessoas imaginativas. Aquelas que conseguem contemplar o verdor das plantas, sem nenhuma agressão de sua parte, por mais sutil que seja – que tipo de pessoa consegue simplesmente embeber-se do viço das árvores, quem consegue apenas absorvê-lo como se fossem esponjas – essas pessoas se tornam muito criativas, muito imaginativas. Essas pessoas são poetas, pintores, dançarinos, músicos – elas absorvem o universo em profunda receptividade e, depois, transbordam em sua imaginação tudo o que observam.
  • No ocidente, o grande interesse pelas drogas ocorre apenas porque os ocidentais conseguiram destruir o hemisfério direito do cérebro completamente por causa da educação compulsória.
  • A meditação faz a mesma coisa que a droga; ela desloca a predominância da função cerebral, faz a do hemisfério direito prevalecer sobre a do esquerdo. Ela libera sua capacidade íntima de criatividade.

 

O Ego

  • Quando você é criativo, o desejo desaparece. Quando você é criativo, a ambição desaparece. Quando você é criativo, você já é aquilo que sempre quis ser.
  • O ego está sempre esforçando-se para nadar contra a correnteza. As pessoas não gostam de fazer coisas fáceis. Antes de fazê-as, elas gostam de torná-las árduas, difíceis. As pessoas adoram fazer coisas difíceis. Por quê? Porque, quando você enfrenta uma situação difícil, seu ego se torna sutil, sagaz; é um desafio. Para quem é o desafio? Para o ego.
  • Você não precisa ir a nenhuma escola para aprender a ser criativo. Tudo o que você precisa é voltar-se para dento de si mesmo e ajudar a extinção do próprio ego.
  • Cedendo a uma força que não é sua, entregando-se a uma força que está além de você, isso é criatividade. Meditação é criatividade. E, quando o ego desaparece, a ferida em você desaparece; você está curado, você está são – o ego é a sua doença.
  • O mestre o está aconselhando a abandonar o seu eu, o seu ego. O primeiro passo é a receptividade, pois, no estado de receptividade, o ego não pode existir – ele só consegue existir em situações de conflito. E, quando você é receptivo, sua capacidade de imaginação se torna inesperadamente muito grande.
  • Ego é neurose. O ego sempre quer ser perfeito. O ego é muito perfeccionista. O ego sempre quer ser mais alto e melhor do que os outros; por isso ele é perfeccionista. Mas, por meio do ego, a perfeição jamais é possível.
  • Uma pessoa ambiciosa não pode ser criativa, pois ela não tem amor por nenhuma atividade.

A Mente

  • A mente vazia é oficina de Deus. A mente vazia é a coisa mais bela do mundo, a mais pura delas.
  • A mente esta obcecada por atividade.
  • Por quanto tempo você consegue se manter em silêncio?
  • Há dois tipos de silêncio. Um deles é o silêncio que você pode impor a si mesmo. Isso não é uma coisa muito delicada. É um tipo de violência, é uma espécie de violação da mente; é agressivo. E há o tipo de silêncio que toma conta de você como a noite envolve o dia.
  • O intelecto não pode ser criativo. As universidades não geram Shakespeares, Miltons, Dostoevskys, Tolstoys, Rabindranaths, Kahll Gilbrans.
  • Não é possível haver nenhum tipo de criatividade intelectual.
  • Qual a diferença entre produzir e criar? A produção é uma atividade mecânica. Os computadores fazem isso – eles estão fazendo isso, e fazendo-o de uma forma muito mais eficiente do que se pode esperar do homem. A inteligência cria; ela não produz. O ato de produzir envolve repetição de tarefas: aquilo que já foi feito, você continua a produzir. Criatividade significa trazer à existência aquilo que é novo; abrir caminho para que o desconhecido penetre o conhecido; abrir um canal para que o Céu venha à Terra.
  • O criador tem que ser capaz de parecer idiota. O criador tem que pôr em risco o que se chama de respeitabilidade. Você já viu alguma pessoa respeitável fazer algo criativo? Ela é medrosa. Se ela fizer algo errado, ou se algo der errado, o que acontecerá com seu prestígio?
  • Você tem duas mentes, dois hemisférios no cérebro. O hemisfério esquerdo não é criativo – é tecnicamente muito capaz, mas, no que diz respeito à criatividade, ele é absolutamente impotente. Ele consegue levá-lo a fazer algo somente quando o assimila – e então você consegue fazê-lo muito eficientemente, perfeitamente; ele é mecânico. Ele é o hemisfério da razão, da lógica, da matemática. É o hemisfério do cálculo, da inteligência, da disciplina, da ordem.
  • O hemisfério direito é justamento o oposto dele. É o hemisfério do caos, não da ordem; é o hemisfério da poesia, não da prosa; é o hemisfério do amor, não da lógica. Ele é o poderoso canal de percepção da beleza, meio de profundo discernimento da originalidade – mas não é instrumento de eficiência. O criador não consegue ser eficiente; ele precisa estar sempre experimentando.
  • Como desativar o hemisfério direito do cérebro e ativar o esquerdo – é isso que nos ensinam nas escolas. Entre os 7 e 14 anos de idade, acabamos conseguindo destruir o lado direito, e morre a criança que há em nós; ela é destruída.
  • Sua mente está cheia de memorização; agora você pode repetir, pode reproduzir.

Crianças

  • Pergunte a uma criança “Aonde você vai?”, na mente da criança essa pergunta é irrelevante, “Há necessidade de ir a algum lugar?”.  Para nós, uma atividade é relevante somente quando ela leva a algum lugar.
  • Quando você se torna receptivo, você se assemelha a uma criança.
  • Todo ser humano é um criador nato. Observe as crianças e você verá: todas são criativas. Aos poucos, nós destruímos sua criatividade.
  • Volte a ser criança e você será criativo. Toda criança é criativa. A criatividade precisa de libertação – libertação dos grilhões da mente, do conhecimento, dos preconceitos. A pessoa criativa é aquela que consegue experimentar o novo. A pessoa criativa não é um robô. Os robôs jamais são criativos; eles são repetitivos.
  • Toda criança nasce criativa – mas não aproveitamos sua criatividade.
  • Todas as crianças nascem com toda a potencialidade para serem criadoras. Sem exceção, todas tentam ser criativas, mas não permitimos que elas sejam. Prontamente, começamos a ensiná-las a maneira correta de fazer as coisas – e, assim que aprendem a maneira correta de fazê-las, elas se tornam robôs. Portanto elas passam a fazer as coisas sempre da maneira correta, e, quanto mais assim o fazem, mais eficientes se tornam. E, quanto mais eficientes se tornam, mais respeitadas elas são.

Deixe uma resposta