Startup Day SEBRAE RS

STARTUP DAY SEBRAE-RS Olá amigos, tudo ótimo? Participei do Startup Day SEBRAERS em Porto Alegre no dia 20/05/2017. Se você perdeu o evento não se preocupe, vou trazer aqui um pouco do que rolou. Foram três palestras e um coffe break de interação e troca de cartões, o evento foi bem bacana. Vou passar alguns insights importantes sobre o que observei nas palestras. Primeira palestra: Como Nascem Negócios Globais? Alguns insights da palestra: – Precisamos pensar de forma global e não regional. No Brasil ainda pensamos muito de forma regional e isso prejudica nossos negócios. – Existem muitas diferenças nas necessidades de expansão de um negócio global tradicional como a Coca-Cola se comparado com uma empresa digital como o Google. Pense em toda a logística… – Os negócios digitais globais devem ver o mundo de outra perspectiva geográfica, de acordo com o mapa das conexões digitais e não na geografia tradicional, confira o mapa abaixo: – O polo tecnológico de Recife movimenta 10 bilhões por Continue a leitura

BUSINESS MODEL CANVAS

BUSINESS MODEL CANVAS – UMA VISÃO GERAL O Business Model Canvas ou “Quadro de modelo de negócios”, é uma ferramenta que serve para planejar e visualizar as principais funções de um negócio e suas relações. O Canvas auxilia os empreendedores nos processos de criação, diferenciação e inovação, aprimorando e permitindo uma clara visualização do modelo de negócios da startup. O Canvas é uma ferramenta de gerenciamento estratégico simples e de fácil utilização, importante para a etapa de “Definição do modelo de negócios e das hipóteses de valor e de crescimento” de uma startup. O modelo Canvas é dividido em nove blocos que descrevem as funções essenciais de um negócio e suas ligações, explicarei cada uma delas posteriormente. Podemos subdividir o modelo Canvas em quatro blocos principais, que respondem às perguntas como, o que, para quem e quanto. Como? Atividades-chave, Recursos-chave e Rede de parceiros. O que? Proposta de Valor. Para quem? Segmentos de Clientes, Canais e Relacionamento com o Cliente. Continue a leitura

A Startup Enxuta – Uma visão geral

A STARTUP ENXUTA – UMA VISÃO GERAL “A maioria dos produtos não fracassa por causa da execução insatisfatória, mas sim porque a empresa está desenvolvendo algo que ninguém quer.” – Erir Ries, empreendedor A Startup Enxuta, The Lean Startup de Eric Ries, traz ao empreendedorismo e à inovação uma nova mentalidade que muda todo o processo de criação de startups. Acredito que a Startup Enxuta entrará na história como um divisor de águas quando o assunto for a abordagem científica sobre a inovação. O Equilíbrio Empreendedor adota os conceitos da Startup Enxuta como o modelo a ser seguido na parte técnica do empreendedorismo inovador. A Startup Enxuta é uma metodologia aberta, e pode ser complementada por outras técnicas e metodologias. A Startup Enxuta traz uma metodologia cientifica, uma nova mentalidade para a criação de produtos e serviços inovadores, baseada em um ciclo de feedback – construir -medir-aprender. A Startup Enxuta não é uma metodologia simples, de fácil compreensão e aplicação, Continue a leitura

Empresa x Startup: Mitos e Fatos

Qual a diferença entre uma empresa e uma startup? Segundo Eric Ries, autor do livro The Lean Startup, as startups são projetadas para enfrentar situações de extrema incerteza. Abrir uma nova empresa, que seja um clone exato de um negócio existente, copiando modelos de negócio, precificação, cliente-alvo e produto, pode até ser um investimento econômico atraente, mas não é uma startup, pois seu sucesso depende somente da execução – tanto que esse sucesso pode ser modelado com grande exatidão. Uma startup é uma instituição humana projetada para criar novos produtos e serviços sob condições de extrema incerteza, não é um negócio, ou melhor, ainda não é um negócio, seu foco deve ser o aprendizado validado, buscando responder duas perguntas fundamentais: a hipótese de valor, isso gera valor para o cliente? E a hipótese de crescimento, como os clientes descobrem meu produto ou serviço? Para isso, usando um MVP (Produto Mínimo Viável) ela deve seguir o ciclo de feedback, Construir -> Medir -> Aprender para responder Continue a leitura