Transformação Digital na SUCESU 2017

Fui convidado para participar como palestrante do congresso Sucesu 2017 em Salvador – Bahia, que tinha como tema a Transformação Digital. Dentro do congresso participei de um evento chamado CIO Meeting, um encontro de diretores de tecnologia das empresas da Bahia. E vou dizer uma coisa, FOI FANTÁSTICO! Minha palestra foi sobre os desafios dos CIOs na transformação digital, que irei apresentar em outra publicação, porque nessa vou trazer insights sobre a transformação digital. No evento tive a oportunidade de ver e trocar uma ideia com profissionais fantásticos como Francesco Farruggia (Campus Party), Ricardo Cappra, Marcio Okabe, Leandro Henrique de Souza (Positivo), entre outras feras. Rapidinho, você sabe o que é a transformação digital? É a mudanças associada a utilização de tecnologias digitais em todas as áreas da sociedade humana. Em resumo, é toda essa tecnologia digital que usamos no dia a dia, Google, UBER, apps, websites, e outras tecnologias que mudam nossa forma de viver, nossa cotidiano, trazendo muitas mudanças. Continue a leitura

Spirituality Meets Business

Spirituality Meets Business Participei do Spirituality Meets Business, a Palestra foi na quinta-feira (19/05) e o workshop foi no domingo (22/05). Vou fazer um resumo do que foi abordado. O Palestrante Gustavo Tanaka tem uma história bem interessante, administrador de empresas, ele foi para a carreira corporativa, passou por diversos cargos e se decepcionou. Na busca pelo auto conhecimento ele empreendeu em três negócios diferentes, de portes diferentes, com sucessos e fracassos. De sua história de vida, cheia de negócios e mudanças, e com um forte background espiritual graças a influência de sua mãe, ele deu outra grande guinada em sua vida, foi para o lado da espiritualidade, escreveu um livro, virou palestrante e toca diversas empresas colaborativas. Algumas das lições que ficaram claras para mim sobre a vida e carreira do Gustavo: O mundo corporativo boicota mentes criativas e ativas; Um bom administrador não é necessariamente um bom empreendedor. É possível criar um negócio de “sucesso financeiro” e não gostar dele, Continue a leitura