Ser Coach parte 8 – Fazendo perguntas

Ser Coach parte 8 – Fazendo perguntas

Olá, bem vindo a 8º parte do programa Ser Coach! Depois de aprendermos sobre a arte de escutar, vamos entrar na arte de fazer grandes perguntas, e são essas perguntas que irão guiar o cliente até um local diferente, um local aonde ele possa observar seus questionamentos através de outro ponto de vista, e assim, gerar poderosos insights.

Programa Ser Coach:

A cultura ocidental é dominada por grandes pensadores, professores, oradores, escritores, mas quando foi a última vez que você ouviu falar de alguém sendo chamado de grande questionador? Provavelmente nunca.

Como nossa cultura não valoriza muito as perguntas, é provável também que nós não as valorizemos. Poderíamos pensar que um palestrante motivacional pode trazer mais mudanças para a vida de uma pessoa, falando por 30 minutos, do que uma pessoa que faz perguntas por 30 minutos seguidos. Podemos supor que uma pessoa tenha mais sabedoria que a outra; afinal, se você tiver que fazer perguntas, então o que você está colocando no jogo?

PERGUNTAS SÃO MAIS PODEROSAS QUE RESPOSTAS

Através de perguntas podemos abrir importantes portas

Vamos usar um exercício rápido para mostrar o poder de fazer perguntas:

De que cor são seus sapatos?

Você chegou a uma resposta? Claro que sim. Sua mente foi diretamente para lá. Você pode até ter olhado para baixo para se lembrar do tipo de sapato que estava usando (se estiver usando algum).

É isso que as perguntas fazem – elas forçam uma resposta. Sua mente não se debateu respondendo a pergunta. Na verdade, o seu corpo até se submeteu ao poder da questão.

Vamos tentar de novo, no entanto, desta vez, tente não responder à pergunta. Pronto?

De que cor é o seu cabelo?

Como foi? A resposta ainda assim foi espremida, não é?

Vamos tentar mais uma:

Em que cidade você vive?

Mesmo se você fosse capaz de bloquear o nome da cidade, você pode até ter visto imagens dela em sua mente.

Estes exemplos demonstram o poder das perguntas. Além disso, demonstra que o poder de fazer perguntas é maior do que sentar e ouvir um professor ou palestrante. É mesmo?

  • Quantas vezes você se sentou em uma sala de aula e desconsiderou o que o professor disse?
  • Quantas vezes você não respondeu voluntariamente a algo que um palestrante motivacional disse?
  • Quantas vezes você não raciocinou, não se envolveu ou até mesmo rejeitou pensamentos, perspectivas e informações de outra pessoa?

Perguntas forçam o engajamento. Pode-se argumentar que elas são mais poderosos do que a vontade de uma pessoa.

No relacionamento de coaching, não estamos fazendo perguntas para controlar as pessoas. Nós simplesmente entendemos que as perguntas são mais poderosas do que dar respostas. Ao dar uma resposta, podemos não ter nenhum tipo de engajamento ou nem mesmo sermos lembrados, mas quando fazemos uma pergunta, o indivíduo está envolvido de uma maneira muito pessoal.

PERGUNTAS PODEROSAS

Fazer a pergunta certa é muito mais poderoso do que fazer muitas perguntas.

Quando dizemos “perguntas poderosas”, estamos sugerindo que essas perguntas são diferentes das perguntas do dia a dia. No coaching, queremos fazer perguntas que não estão fechadas, o que significa que elas não podem ser respondidas com uma simples “sim ou não”, mas sim perguntas que exigem reflexão e insights.

Como um saleiro …

Pense em perguntas como as duas aberturas diferentes de um saleiro. Há um lado que, se você abrir, vai dar apenas alguns chuviscos cada vez que você inclinar o recipiente. Isso é ótimo se você não quer muito. Mas se você realmente está tentando aproveitar, isso vai consumir muito tempo. Você irá sacudi-lo ele por um tempo, e depois, você provavelmente ficará cansado ou frustrado.

Do outro lado existe uma grande abertura. Quanto maior for a abertura criada, mais será despejado em uma única inclinação.

No coaching, uma questão poderosa pode criar a abertura para uma abundância de pensamentos e idéias úteis.

Ou como uma bomba hidráulica…

Outras questões poderosas são mais como uma bomba.

As bombas funcionam de maneira diferente de um saleiro. Em um saleiro, você só precisa de uma abertura. As bombas não têm água na superfície pronta para sair. Elas normalmente precisam ser preparadas.

São como as perguntas que fazemos e não sabemos a resposta. E as perguntas que fazemos que o cliente não tem a resposta para elas – são perguntas sobre as quais nunca pensaram ou perguntas que nunca foram feitas antes. Portanto, as perguntas preparam a bomba do seu coração. Eles exigem pensamento. Eles exigem que algo seja desenhado.

Uma pergunta não é poderosa porque pode ser respondida na hora. Algumas perguntas realmente poderosas exigem tempo para reflexão, visualização e imaginação.

PERGUNTAR COM O FIM EM MENTE

É muito importante não entrar na frente do cliente com uma lista genérica de perguntas ou com perguntas que são feitas fora do contexto da conversa. Nós não apenas fazemos uma pergunta. Fazemos uma pergunta para a qual queremos uma resposta. Existe um propósito. Existe uma perspectiva que estamos tentando ganhar. Além disso, queremos fazer os tipos de perguntas que mexem e movem a conversa, e não apenas fazer perguntas porque elas estão em um script.

ABRINDO PERGUNTAS FECHADAS

Muitas vezes chegamos ao fim da pergunta antes do tempo. Por isso, é muito importante fazer perguntas que, por sua própria natureza, sejam abertas.

Veja um exemplo de uma pergunta fechada:

Como vai você?

Há uma porta anexada à pergunta que se fecha atrás do cliente assim que ele atende. É simplesmente um “bom”, “ruim”, “ótimo” etc.

Veja como alterá-la para uma pergunta aberta:

Que coisas em sua vida estão indo bem para você?

Que coisas deixam você realmente agradecido pelo dia de hoje?

Essas perguntas são melhores. Elas estão mantendo a porta aberta para o indivíduo expressar emoções e compartilhar ideias.

Aqui estão mais alguns exemplos:

Fechada Aberta
Sua apresentação ocorreu bem? Como ocorreu a sua apresentação?
Você precisa de mais tempo para completar isso? Qual seria o cronograma razoável?
Você já discutiu essa questão com ele? Como você deve abordar essa questão com ele?

EVITAR JULGAMENTOS E DIAGNÓSTICOS E PERMANECER NEUTRO

Você já notou que os tipos de perguntas que fazemos são sempre:

  • O que?
  • Como?
  • Quando?
  • Onde?

Mas nunca fazemos perguntamos do tipo Por que? Porque as perguntas “Por que” são sempre ligadas a diagnósticos e julgamentos.

Fazemos cuidadosamente perguntas que são neutras e sem julgamento. Estamos permitindo que o cliente tenha segurança e liberdade para explorar os motivos. Como Coaches, usamos a visão do cliente e não a nossa.

Veja um exemplo:

“Isso te deixou com raiva?”

Não é apenas uma questão fechada, mas é uma questão que leva a um julgamento que pode significar “Eu acho que você está com raiva” ou “Eles devem ter ficado bravos com isso”.

MANTENDO AS PERGUNTAS BREVES E SUCINTAS

Às vezes, na busca por uma pergunta poderosa, podemos ser um pouco prolixos e eloquentes a ponto de o cliente perder a pergunta no meio das palavras.

As melhores perguntas são simples, curtas e objetivas.

EXEMPLOS DE PERGUNTAS PARA COACHES

Para iniciar a sessão:

  • No que você acha que precisamos nos concentrar?
  • O que você quer alcançar?
  • Por onde devemos começar?
  • Então, como posso ajudar?
  • Quais são os principais problemas que você deseja abordar?

Para desafiar:

  • De que outra forma você poderia conseguir isso?
  • De que outra forma você poderia ver a situação?
  • O que te faz pensar isso?
  • Quais são os seus pensamentos sobre isso?
  • O que você quer dizer com…?
  • O que você vai fazer?
  • De que outra forma poderia funcionar?

Para obter mais informações e clareza:

  • Quais são outros exemplos disso?
  • O que especificamente você quer dizer com …?
  • Para qual propósito?
  • Você pode não saber agora, mas, se você soubesse …, o que seria?
  • Como alguém poderia resolver isso?
  • O que mais você precisa considerar?

Para obter compromisso com objetivos e mudanças:

  • Então o que você vai fazer?
  • Como você vai saber quando você já tiver isso?
  • Quando você conseguir, o que você vai ver, ouvir e sentir?
  • O que acontecerá se você fizer…?
  • Se você não…, o que isso fará para você?
  • Que efeito essa mudança terá sobre os outros?
  • O quão disposto você está …?

CONSIDERAÇÕES FINAIS

  • Não faça várias perguntas. Faça uma pergunta de cada vez.
  • Não faça perguntas importantes que sejam perguntas que contenham uma sugestão na resposta que você deseja.

Não sei vocês, mas eu fiquei morrendo de vontade de fazer perguntas incríveis a meus clientes, perguntas que possam transformar e garantir o comprometimento deles com os seus objetivos.

Vou deixar mais uma dica, treine bastante o ato de transformar perguntas fechadas em perguntas abertas. Isso o tornará um Coach mais poderoso!

Assim encerro a 8º parte do programa Ser Coach! Nos vemos em breve na 9º e penúltima parte:  Ser Coach parte 9 – Encontrando soluções e tomando atitudes

Já se cadastrou em minha newsletter? Aproveite:

Dúvidas, sugestões, reclamações?

Muito obrigado por ter chegado até aqui, até breve.

Um grande abraço!

Ser Coach parte 6 – A arte de escutar

Um Coach deve saber escutar, de preferência como um buda…

Ser Coach parte 6 – A arte de escutar

Bem vindo a 6º parte do Ser Coach. Espero que esteja conseguindo aprender bastante… Bom vamos lá! Você sabe escutar os outros? Saber escutar é fundamental na relação de coaching.

Programa Ser Coach até o momento:

Saber escutar é o fundamento mais importante da relação de coaching. Quando você escuta, você está valorizando o que o seu cliente têm a dizer. Quando você valoriza o que uma pessoa está dizendo, você está expressando aceitação e crença nessa pessoa. O crescimento é acelerado em um relacionamento onde a pessoa se sente aceita e valorizada.

O poder de escutar é outro conceito contra-intuitivo. Para a maioria das pessoas, apenas escutar e não dar conselhos ou soluções sempre faz com que elas se sintam inadequadas e parecendo tolas.

Isso poderia ser verdade se a escutar fosse ouvir, mas não é.

Ouvir é passivo. Escutar é ativo.

Escutar não é algo que apenas acontece (isso é ouvir), escutar é um processo ativo no qual uma decisão consciente é feita para ouvir e entender as mensagens de quem está falando.

Escutar é engajamento e exploração. É uma verdadeira disciplina que consistentemente temos que praticar e refinar como Coaches.

O processo de comunicação se da 38% através de certos elementos vocais e 55% através de elementos não verbais (expressões faciais, gestos, postura, etc.). Isso significa que apenas 7% da comunicação é realmente constituída de palavras.

Irei abordar duas categorias diferentes de técnicas de escuta – uma para fora e outra para dentro.

TÉCNICAS DE ESCUTA EXTERIOR

linguagem corporal

A escuta exterior está ligada a linguagem corporal. Essas técnicas podem ser praticadas e podem ser utilizadas imediatamente para melhorar o nosso envolvimento com as pessoas.

Postura aberta

Imagine que seu corpo está comunicando o grau de abertura de seu coração em relação à pessoa.

Braços ou pernas cruzadas fecham o corpo e dão uma mensagem não verbal de desinteresse. Quando nos fechamos desse jeito, estamos dizendo “Estou escondendo algo” ou “Eu realmente não quero estar aqui nesta conversa com você”. Se você vê essa linguagem corporal no outro, ela transmite uma mensagem clara que você entenderá em um nível subconsciente.

Inclinação

Se você for a um restaurante e olhar ao redor das mesas, pode dizer quais casais estão sintonizados um com o outro enquanto se inclinam, refletindo assim a sua linguagem corporal.

Quando você se inclina para trás, você pode estar relaxando, mas a mensagem não-verbal é de desengajamento ou desinteresse.

Se as mensagens verbais estão em desacordo com as mensagens não verbais, isso é referido como “incongruência”, e assim criará tensão na comunicação.

Contato visual

Se a pessoa está desviando o olhar, parece que ela não está interessada nas palavras de quem fala. Mantenha o contato visual.

Fique atento a seu comportamento,  você pode não estar piscando o suficiente ou pode estar olhando a pessoa por muito tempo. Dê uma pausa olhando para baixo contemplativamente, mas não desvie o olhar para outra parte da sala.

Relaxar

Se você estiver relaxado, a pessoa com quem você conversar provavelmente também se sentirá relaxada.

Acenar a cabeça e expressões verbais curtas

Inclinar a sua cabeça e expressões verbais curtas de “uh-huh”, “sim”, “exatamente”, são realmente grandes sinais de engajamento.

Mas seja cauteloso em usá-los:

  • Se você não está realmente escutando ativamente, você pode concordar involuntariamente com algo que você não deveria.
  • Se você não está autoconsciente, você pode usá-las tanto que a pessoa sabe que você não está escutando.
  • Às vezes, essas sugestões podem ser terrivelmente distrativas.

Expressões Faciais

Seu rosto não mente muito bem.

Sorria quando for apropriado como um gesto de aprovação. Mas seja consciente, porque grandes sorrisos mostrando os dentes podem fazer as pessoas se sentirem desconfortáveis e sorrisos que parecem uma risada sugerem que você é condescendente ou não acredita no que eles estão dizendo.

Pode ser interessante trazer um amigo para observá-lo a uma distância fora do alcance da audição. Ele podem lhe dizer como você se saiu apenas com base em sua visão não-verbal e pode ajudá-lo a fazer ajustes.

TÉCNICAS DE ESCUTA INTERIOR

Silencie a conversa dentro de sua cabeça.

Você já teve uma conversa com uma pessoa que parecia estar escutando você e assim que você termina o que estava dizendo, ela responde com algo que obrigou você a dizer: “Na verdade, não é isso que eu disse. O que eu disse foi … ”

Isso realmente acontece muitas vezes quando conversamos com pessoas. Normalmente, há uma conversa paralela que está acontecendo na cabeça da pessoa com a qual você está falando.

Se houver conflito em um relacionamento ou suposições negativas, isso pode tornar as coisas ainda piores. Quando há suposições negativas, a pessoa que deveria estar ouvindo está ocupada reunindo uma defesa.

Por toda a nossa vida nos foi dito para ouvir, mas nunca nos ensinaram a escutar. Então, estamos sempre competindo com a conversa em nossa cabeça, o que cria uma distração.

Quando estamos distraídos com essas conversas, perdemos mais do que uma palavra aqui ou ali. Perdemos o coração da pessoa. Perdemos as motivações da pessoa. Nós realmente perderemos as soluções que estão vindo da boca de nosso cliente.

É duvidoso que se possa eliminar completamente a conversa em nossa cabeça, mas podemos, pelo menos, estar cientes dos gatilhos das conversas em nossa cabeça, para que possamos minimizar as distrações e silenciar algumas dessas conversas.

  • Apenas escute a pessoa sem tentar resolver os problemas.
  • Não comece a preparar sua resposta enquanto a pessoa ainda está falando.
  • Não julgue a pessoa que está falando.
  • Capture seu pensamento se a pessoa disser algo que desencadeia uma tarefa pessoal que você precisa cuidar. Pegue um momento e escreva a sua tarefa particular, de modo que ela fique de fora de sua mente.

A escuta cinestésica pode ser útil

Anotações e memória cinestésica

Muitas vezes, as pessoas irão às reuniões com um papel e uma caneta e apenas anotarão algumas palavras aleatórias. Ou essas reuniões são completamente improdutivas ou essas pessoas têm uma memória incrível.

Quando se trata de ouvir, podemos obter o apoio do que podemos chamar de aprendizagem cinestésica. Em termos simples, estamos falando de tomar nota de forma intencional.

Tente isso:

Pegue um pedaço de papel e uma caneta e tente escrever o hino nacional nele cantando “Garota de Ipanema”.

Qual foi o grau de dificuldade? Alto, certo?

Quando estamos ouvindo as pessoas, não precisamos escrever tudo o que dizem, mas, uma coisa é certa, quando você está tomando notas, você não pode se envolver em duas conversas ao mesmo tempo! Você ganha foco, e para a conversa paralela em sua mente.

Acabe com as distrações

Os meios digitais tem muitas distrações.

Talvez o seu computador ou Tablet não sejam os locais ideias para tomar as notas durante a conversa. Por que? Porque a todo momento podem surgir e-mails, mensagens no whatsapp, atualizações, próximos compromissos e tarefas, convites, aplicativos mostrando novas notícias, entre outros…

O seu telefone – mesmo no modo silencioso – ainda estará falando com você…

Feche tudo e coloque fora – fora da vista, fora da mente – essa é provavelmente a melhor maneira de acabar efetivamente com as distrações digitais.


Uau… A arte de escutar é realmente indispensável para um Coach! Ela também pode ajudar muito outras profissões e sua vida pessoal. Por enquanto fico por aqui, nos vemos em breve na 7º parte do Ser Coach: Ser Coach parte 7 – A arte de escutar parte 2 ,uma continuação desse assunto fantástico.

Ainda não se inscreveu em minha newsletter? Aproveite!

Dúvidas, dicas, sugestões? Deixe seu comentário!

Fico a disposição, um grande abraço e até breve.

Ser Coach parte 1 – Visão Geral

Ser Coach parte 1 – Uma Visão Geral

Em uma série de 10 publicações chamadas Ser Coach, vou abordar o processo de coaching, o que é, como funciona, para quem serve e para o que serve, e mais… Basicamente um curso de Coaching

Esses artigos são úteis para aqueles que querem se tornar coaches, para os que já são coaches, e para aquelas pessoas que buscam resultados mais positivos em suas vidas, ou seja, aqueles que querem buscar a ajuda de um profissional e saber mais sobre o processo de coaching.

Lista completa do Ser Coach:

Vamos lá!

Um Coach deve acreditar em pessoas

Um coach deve trazer o que existe de melhor de dentro das pessoas para fora. Ele deve conseguir observar com o coração, com paixão pelo potencial das pessoas. Ser coach é um estilo de vida!

Por que você gostaria de ser um coach? Pense e responda essa pergunta…

As habilidades são importantes. O treinamento é importante. Os métodos são úteis. Mas NADA pode substituir o CORAÇÃO!  Nós não ouvimos porque é parte do programa. Nós ouvimos porque acreditamos. Acreditamos nas pessoas.

O Coach não é

Psicologo: Profissional graduado em psicologia que tem uma série de conhecimentos sobre psicologia e comportamento humano. Normalmente o foco de atuação é em problemas emocionais e mentais, ou seja, FOCO NO PASSADO.

Terapeuta: Também tem o foco na solução de problemas emocionais, mentais, energéticos, físicos e espirituais. Utiliza técnicas alternativas de medicina e cura. O foco do psicoterapeuta é NO PASSADO.

Mentor: O mentor é aquele que vai lhe dar dicas. É um profissional com ampla experiência em um campo de atuação e pode lhe dar dicas fantásticas sobre sua área. FOCO em conselhos baseado nas experiências do profissional.

Coach: Tem seu FOCO NO FUTURO. Busca ajudar seu cliente a ter controle sobre sua vida através de estratégias acionáveis para fazer melhorias e atingir objetivos. Ele não da a solução pronta, ele acredita que o cliente (coachee) tem a solução para os seus problemas dentro de si, e o ajuda a observar as soluções através de perguntas e questionamentos.

O que é Coaching?

O coach é um parceiro do cliente, e através de provocações e do processo criativo inspira o cliente a maximizar o seu potencial. O Coach acredita que o seu cliente é criativo e tem recursos para transformar sua vida e encontrar soluções, precisando apenas de um “empurrão”.

 As responsabilidades do Coach é

  • Descobrir, clarificar e alinhar o que o cliente quer atingir.
  • Encorajar o autoconhecimento.
  • Deduzir e extrair soluções e estratégias geradas pelo próprio cliente.
  • Deixar o cliente responsável pelo sucesso do processo.

Determinar objetivos e metas

Na relação de coaching, é imperativo que o cliente estabeleça objetivos e metas.  Isso é diferente de um relacionamento consultivo ou de orientação, onde as respostas são fornecidas e as etapas implementadas para o cliente.

O Coach mantem tudo centrado no Cliente

O processo começa ao perguntarmos para o cliente com o que ele gostaria de começar.

Informe ao cliente que ele deve tomar nota e dar atualizações sobre os itens da lista de ações que ele estiver trabalhando para melhorar. O coach deve influenciar o cliente a manter o que foi combinado e fazer a sua parte.

O que você acha? – Cliente

Eu não sei. O que VOCÊ ACHA? – Coach

Lembre-se, quem tem as respostas é o cliente, o coach apenas direciona o seu cliente para a solução. O cliente deve criar os passos e a lista de ações que deverão ser tomados e não o coach.

O coach atua como redutor de ruído, atua como um permissor no processo

Os ruídos são os medos, as inseguranças, as incertezas do cliente. É o cliente que deve conseguir ouvir seus próprios pensamentos e sentimentos (tudo aquilo que vem do coração), e assim, tomar grandes decisões.

O coach envia uma afirmação de fora: Você tem permissão para AGIR!

O Coach é um facilitador

Manter o foco e mover as coisas para frente, em direção a ação!

Em todos os encontros o coach irá

  • Pedir uma atualização dos passos dados em relação a lista de ações que foram acertados anteriormente.
  • Manter a conversa fluindo em direção dos objetivos do cliente.
  • Levar o cliente adiante, pedindo por mais itens na lista de ações.
  • Dar suporte ao cliente, para que ele possa entrar em contato com o seu coração.
  • Identificar e definir os sonhos e paixões do coração do cliente (autoconhecimento) e os objetivos resultantes desses sonhos.
  • Ajudar o cliente a descobrir, revelar, classificar, refinar e repensar seus objetivos.

O Coach atua na realização

  • Dar suporte ao cliente na definição da lista de ações que ele precisa para realizar e concretizar seus objetivos.
  • Encorajar, dar suporte, e ajudar quando as ações não acontecem como o planejado.

Estabelece compromissos

  • Persistência e compromisso do cliente para atingir objetivos.
  • Dar suporte e encorajar o cliente quando o compromisso estiver exitante.
  • Ajudar a identificar as ameaças e riscos ao compromisso do cliente e trabalhar para desenvolver uma estratégia para enfrentar as barreiras ao comprometimento.

Realiza afirmações

  • Reconhecer os desejos do cliente e empoderá-lo.
  • O quanto mais bem sucedido seu cliente se sentir, mais sucesso ele terá.
  • Afirmar e celebrar todos os sucessos ao longo da jornada.

É necessário fazer escolhas

  • Quem você quer ser, o que você quer fazer com a sua vida?
  • As escolhas estão ligadas a quem você é, e ao que você representa.
  • Desafie o cliente a fazer escolhas de vida POSITIVAS e FORTES.
  • Dar suporte ao cliente a entender as consequências de viver com essas escolhas.
  • O coach da suporte para o cliente, ajudando-a desenvolver visão e objetivos.
  • Empodere-o para que ele possa encontrar suas próprias soluções.
  • O cliente tem que querer as mudanças e ter controle de sua própria vida.
  • Eu acredito em você! Desafiar, empurrar, esticar, segurar!

É necessário determinar objetivos e metas

  • É o cliente que deve estabelecer os objetivos e metas.
  • Usar as experiências, recursos, pensamentos e sentimento do próprio cliente, não a experiência do coach!
  • O cliente deve sentir e entender que as soluções, metas e objetivos são criados por ele.

O Coach não diz o que deve ser feito, diferente de um professor, consultor ou terapeuta.

  • O coach leva o cliente a auto resposta.
  • Existe pouca transferência de conhecimento no processo de coaching.

Um Processo Contra Intuitivo

É muito fácil para alguém que não é coache pensar que o coaching é um processo terapêutico. Pode ser desafiador e contra intuitivo mudar a forma de pensar do ACONSELHAMENTO para o da realização de GRANDES PERGUNTAS. O que enfrentamos é uma mentalidade cultural com a crença de que, se tivermos informações suficientes, produziremos a transformação.

  • Pouca mudanças ocorre quando um especialista nos diz o que fazer.
  • A pessoa deve querer mudar, e assumir essa responsabilidade.
  • O coach é um agente de mudanças, que permite a pessoa assumir responsabilidades para solucionar os próprios problemas. Ele da a estrutura de suporte que mantem o cliente responsável e seguindo em frente.
  • As pessoas podem resolver seus próprios problemas, o desafio do coach é fazer perguntas incríveis, para que o cliente pense, crie, e assuma a responsabilidade e siga para frente.
  • o coach faz o follow-up, o acompanhamento e progressão de cada ação proposta.
  • Todo follow-up deve ter uma agenda clara, com expectativas e objetivos.
  • O Coach deve criar a linha do tempo do acompanhamento.
  • A estrutura e o modo como o coach da continuidade no processo é essencial para o sucesso do coaching.
  • O coach pede o feedback do progresso de cada item na lista de ações.
  • O coach ajuda a reconhecer e afirmar cada conquista do cliente.
  • Ajuda a relembrar dos fatos chave observados.
  • Novas ações são criadas e o processo segue em frente.

O Coach é um generalista

  • É um agente de mudanças que pode trabalhar com qualquer profissão ou problema.
  • O cliente cria seus próprios objetivos, metas e lista de ações.
  • Cada solução é única e criada pelo próprio cliente.
  • Nunca abandone o coaching para dar consultoria! Esse é um dos grandes erros dos coaches.
  • O coach é um influenciador e não uma autoridade, e o cliente é o responsável pelo resultado.

Muito obrigado por chegar até aqui! Estamos juntos nesse processo.

Na próxima postagem irei abordar os fundamentos do coaching: 

Já se inscreveu em minha newsletter? Aproveite agora:

Dúvidas, sugestões, bate papo? Fico a sua disposição.

Um grande abraço, e até breve.